ASMEGO divulga nota alertando o governador eleito, Ronaldo Caiado, sobre o não pagamento da folha de dezembro

A Associação dos Magistrados de Goiás diz que o estado é uno e contínuo e que Ronaldo Caiado não está autorizado a descumprir obrigações

Em nota divulgada no final da manhã desta quinta-feira, a Associação dos Magistrados do Estado de Goiás (Asmego) afirma que o senador e governador eleito Ronaldo Caiado (DEM), que assume em 1º de janeiro, é responsável pelo pagamento da folha salarial do mês de dezembro e deve explicações sobre a forma como pretende quitar as remunerações dos servidores. No texto, a Asmego afirma ainda que vai mobilizar os servidores do Poder Judiciário contra o não pagamento do mês de dezembro de 2018.

Confira a íntegra da nota divulgada pela Associação dos Magistrados dos Estado de Goiás!

A Associação dos Magistrados do Estado de Goiás (Asmego) vem manifestar sua preocupação quanto às declarações do governador eleito de Goiás, Ronaldo Caiado, acerca do não pagamento dos servidores públicos referente ao mês de dezembro de 2018.

Embora as notícias publicadas não contenham detalhes, é essencial que se tenha uma maior transparência quanto à situação financeira do Estado de Goiás para que se verifique o efetivo déficit e seus motivos, com as providências legais cabíveis.
O Estado é uno e contínuo, e a mudança de gestores e situação política não autoriza o descumprimento de suas obrigações, notadamente para com os salários dos servidores, direito de natureza alimentar intrinsecamente ligado à dignidade humana.

Especificamente quanto ao Judiciário, é oportuno recordar que se trata de um Poder da República com autonomia orçamentária, não subordinado ao Executivo, tendo este o dever de repassar o duodécimo até o dia 20 de cada mês corrente, nos termos do art. 168 da Constituição Federal, matéria exaustivamente já examinada pelo Supremo Tribunal Federal (Roraima, MS 35947, Rio de Janeiro, MS 33969, Mato Grosso, MS 21450, Santa Catarina, MS 23267, Rio Grande do Norte, MS 31671, para citar alguns).

O não repasse do duodécimo, com a consequente não quitação da folha, além de negar validade à dignidade humana (art. 1, III, CF), viola o livro exercício do Poder Judiciário no Estado de Goiás, podendo ensejar, como medida mais drástica, até mesmo a intervenção federal (art. 34, IV, CF), tal qual já aventado no ano de 2017 pelo Tribunal de Justiça do Mato Grosso.

A Asmego, embora na expectativa de que a situação não venha a se concretizar diante da necessária harmonia entre os Poderes, destaca que já prepara as medidas necessárias para resguardar os interesses da Magistratura goiana e a prevalência da Constituição, inclusive quanto à mobilização da classe em todo o Estado na defesa de seus interesses.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.