O Lula é réu de novo, babaca! Agora a acusação é de receber R$ 64 milhões de propina da Odebrecht

Antônio Palocci era o operador do esquema petista para receber propina para o PT e para Lula

Nesta quinta-feira, a Justiça autorizou o início de mais um processo contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Assim, Lula se tornou réu em sua décima ação desde 2016. Só em uma delas o ex-presidente foi absolvido. Lula já tem uma condenação em segunda instância pela qual está cumprindo pena em Curitiba, e outra em primeira instância que deve lhe render mais alguns anos der cadeia muito brevemente. Para os que sonham com a liberdade de Lula para logo, as redes sociais mandam um recado dos mais duros: “o Lula é reu de novo, babaca!”, numa alusão a frase do ex-governador do Ceará Cid Gomes durante as eleições de 2018 quando disse em uma reunião com petistas: “o Lula tá preso, babaca!”

A Justiça federal de Brasília considerou que há indícios para que ex-presidente, preso há pouco mais de um ano na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, seja investigado pela acusação de receber propina da construtora Odebrecht em troca de favores políticos.

O juiz Vallisney de Oliveira, que já havia autorizado a abertura de outros dois processos contra Lula, aceitou nova queixa do Ministério Público, que também lista como réus os ex-ministros Antonio Palocci e Paulo Bernardo. A acusação argumenta que os três articularam em 2010 subornos no valor de 40 milhões de dólares (o correspondente a 64 milhões de reais) em troca de benefícios para a construtora brasileira no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O BNDES, que é público, teria autorizado de forma irregular o aumento de 500 bilhões de reais para 1 bilhão de dólares um empréstimo concedido a Angola, cujo Governo mantinha contrato com a Odebrecht —o empresário Marcelo Odebrecht, ex-presidente da construtora, também está entre os réus desta ação.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.