Ação integrada envolvendo as polícias Civil e Militar e a Guarda Civil de Cristalina levou à prisão de responsáveis por um estabelecimento comercial que explorava prostituição, comércio de drogas ilícitas e venda de cigarros contrabandeados. A operação desencadeada após investigadores da Delegacia de Polícia de Cristalina levantarem informações que davam conta de uma casa de prostituição no Distrito de Campos Lindos, estabelecimento que seria comandado por um velho conhecido da polícia, vulgo “Painho”.

Segundo apurado, além da prática de rufianismo, o homem também utilizava o local para prática do comércio ilegal de entorpecentes. Diante das informações colhidas, os policiais civis montaram um trabalho em conjunto com a Polícia Militar e a Guarda Civil Municipal, com o fito de desbaratar o esquema criminoso, nomeando a diligência integrada como “Operação Afrodite”.

Nas instalações suspeitas, os agentes surpreenderam Alen Farias Rodrigues tentando dispensar parte do material ilícito. Com ele foram apreendidas seis porções de cocaína e, dentro de um saco, cerca de outras dez porções da mesma substância, preparadas para a venda. Durante as buscas, foram ainda localizadas cerca de 80 carteiras de cigarros contrabandeados. Na sequência, as equipes localizaram mais 13 porções de maconha em um quarto que seria de Francisco Farias Rodrigues, pai de Alen. Não fosse bastante, em frente ao prostíbulo foi apreendido um veículo GM/Montana com sinais de adulteração de sinais identificadores e chassi raspado.

Alen, ao ser entrevistado pelas equipes, ainda afirmou aos policiais que em sua residência havia mais uma porção de maconha, no interior de sua geladeira e, frente a afirmação, os agentes de polícia civil dirigiram-se até a residência do criminoso, onde apreenderam uma porção média de maconha, cerca de R$ 5 mil em espécie, bem como algumas correntes de prata e ouro.

Diante dos fatos, os envolvidos foram conduzidos à Delegacia de Polícia de Cristalina para a lavratura do auto de prisão em flagrante pelos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico, adulteração de sinais identificadores de veículo, rufianismo e contrabando. A ação foi coordenada pelo delegado Frederico Gama.

Fonte: Polícia Civil