Torcedor do Vila Nova agredido à pauladas morre em Goiânia

Menor que estava internado no HUGO não resistiu e morreu nesta sexta-feira

A informação é da Delegacia de Investigação de Homicídios de Goiás. Ryan Borges Nascimento Oliveira, conhecido como “Muralha”, o jovem de 17 anos, torcedor do Vila Nova Futebol Clube, covardemente agredido por pelo menos três homens com pedaços de madeira e até com um cabo de machado, no dia 02 de novembro em Goiânia, faleceu nesta sexta-feira no HUGO, Hospital de Urgência de Goiânia, onde estava internado. A Polícia disse que por enquanto não daria mais nenhuma informação, uma vez que as investigações em andamento correm em segredo de justiça.

Relembre o caso!

Os três agressores a torcedores do Vila Nova são integrantes da torcida organizada do Goiás Esporte Clube

A Polícia Civil conseguiu identificar os três homens suspeitos de agredirem torcedores do Vila Nova, em Goiânia. De acordo com as investigações, eles são integrantes da torcida organizada do Goiás. O crime ocorreu na última sexta feira (2/11), no Setor Nova Vila, enquanto o menor, de 17 anos, que permanece internado no HUGO em estado gravíssimo, seguia com o irmão e amigos para um jogo entre o Vila Nova e Paysandu, no estádio Serra Dourada.

VEJA O VÍDEO DA AGRESSÃO: Polícia Civil pede ajuda para identificar os agressores a torcedores do Vila Nova

Um dos suspeitos, que não teve o nome revelado, prestou depoimento ao delegado Isaías de Araújo Pinheiro,do 2º DP, responsável pelo caso. O comerciante, de 23 anos, confirmou o ocorrido à polícia e disse que “estavam bêbados em um bar e ao ver passar uma turma do Vila, se juntaram, pegaram os porretes e foram atrás deles. Os outros dois suspeitos se apresentaram hoje de manhã, 08/11, ao delegado de polícia. Os três suspeitos pertencem a uma torcida organizada do Goiás Esporte Clube. Seus nomes devem ser revelados em breve pela polícia. Como não foram presos em flagrante, os suspeitos podem responder em liberdade pelos crimes cometidos. O delegado analisa a possibilidade de pedir a prisão temporária dos suspeitos.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.